Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




'The Truman Show' e a Ilusão da Vida

por O Gil, em 17.06.17

AVISO: spoilers pesados para o filme 'The Truman Show'

6172.jpg

 

Há na Vida humana uma qualidade sempre presente e quase permanente; a sensação de que a existência que engloba essa vida é uma ilusão, e a própria vida também, por consequência. A dúvida sobre a natureza da nossa realidade, ou se essa realidade não é apenas uma fantasia, pode tomar diversas formas.

 

Podemos considerar que a vida é uma ilusão, pois, segundo os preceitos da religião que seguimos, o período entre o nascimento e a morte é apenas um teste para aceder à verdadeira realidade; um paraíso, uma sala de jantar com os deuses, ou um patamar abstrato de consciência plena.

 

A vida pode ser percecionada como uma ilusão se nos considerarmos solipsistas filosóficos, o que significa que interiorizamos tudo o que é externo sempre em dúvida, acreditando que a única coisa que de facto existe é a nossa mente.

 

Podemos simplesmente considerar que todas as perceções, todas as reações, todos os pensamentos e ações são um elaborado esquema de proporções cósmicas, onde os valores, crenças e ideias são apenas uma complexa interação entre partículas subatómicas, e as pessoas são agregados automatizados destas componentes do mundo quântico.

 

Podemos ainda optar por interpretar o mundo que nos rodeia e a nossa vida como uma encenação de dimensões massivas, um teatro para a humanidade, onde nós somos a personagem principal e todos os outros atores são secundários na história da nossa vida. E é esta abordagem que ‘The Truman Show’ explora, e ao fazê-lo abre uma janela que nos permite em simultâneo vislumbrar as hipotéticas variedades conceptuais que a nossa vida pode tomar e desconstruir a estrutura da nossa realidade pessoal.

 

5474.jpg

 

Com pleno controlo e conhecimento dos seus temas, ‘The Truman Show’ segue o seu caminho cinemático e desenrola-se, recorrendo à narrativa para aprofundar o seu grande objetivo. Seguimos a vida de Truman Burbank, um típico “white-colar worker”, a primeira criança a ser adotada por uma empresa, e no decorrer da sua vida pessoal e profissional concluímos que o mundo em que vive é uma utopia. Não há guerras nem crimes, não há pobreza nem incómodos sem-abrigo, não há a subtil opressão debilitante de uma sociedade normal e há, acima de tudo e para todas as pessoas, felicidade. Isto, até a entropia se revelar e o percurso natural dos eventos ser perturbando, dando inicio ao grande efeito borboleta que leva ao colapso da realidade fictícia em que Truman reside.

 

É através destes acontecimentos que podemos analisar esta versão da ilusão da vida. Neste universo, uma gigantesca empresa deu origem a todo um cenário, populado por atores com as suas histórias e personalidades criadas à mão, onde a progressão da vida de um individuo é explorada para, no final de contas, gerar lucro. Na verdade, toda esta narrativa é um reflexo da obsessão no nosso mundo por 'reality shows', onde a vida das pessoas é dada a ver ao mundo inteiro, numa tentativa de imitar a realidade, para gerar lucro para a empresa e acionistas. 

 

Tal como no mundo real, no final do caminho de Truman não apenas se desfaz a ilusão construída, como também colapsa o véu que oculta o propósito do programa televisivo em que uma vida é exposta, revelando o mero egoísmo que guia os donos do programa e da empresa, apenas preocupados com retornos financeiros, e completamente desligados das implicações morais e das consequências psicológicas para o individuo.



Mais assustador que assistir tudo isto em forma de filme, é sabermos que é possível no nosso mundo, o que evidencia a temática do filme que procura afirmar que não interessa apenas a ilusão que encobre a generalidade da nossa vida, existem também pequenas ilusões e manipulações constantes que deturpam o sentido da nossa vida e nos roubam dos nossos verdadeiros interesses pessoais, em favor de algo que não nos afeta positivamente. 

 

No fim, 'The Truman Show' mostra ser uma exploração filosófica sobre a natureza da realidade, e uma dura crítica à nossa sociedade, espelhando acontecimentos e obsessões reais. De um certo ponto de vista, e em termos práticos, o filme sugere implicitamente que o importante não é decifrar se a vida é real ou apenas uma elaborada ilusão, o importante é sabermos olhar para aquilo que nós é dado, para aquilo que nos é apresentado à nossa frente no dia a dia, e termos a capacidade de refletir sobre as nossas ações, sobre a nossa sociedade, sobre as suas normas e sobre o nosso comportamento dentro dela. O grande objetivo do filme, é indicar-nos que temos o poder de escolher o mundo em que vivemos, mesmo que seja necessário derrubar as barreiras do aceitável, a verdadeira ilusão da modernidade. 

 

3374.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:05


4 comentários

Imagem de perfil

De PP a 19.06.2017 às 00:43

Magnífico post!
Imagem de perfil

De O Gil a 19.06.2017 às 00:53

Obrigado!
Imagem de perfil

De Ana B. a 30.06.2017 às 23:01

Parabéns pelo post!
Conheço o filme e já o vi há tanto tempo que quase me cheguei a esquecer do quanto gostei dele naquela altura. Fez-me pensar bastante, recordo.
Este post deixou-me com vontade de o rever :)
Imagem de perfil

De O Gil a 01.07.2017 às 08:15

Obrigado! É realmente um filme genial que merece ser visto e revisto.

Comentar post



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D


Pesquisar

  Pesquisar no Blog